Fizemos pacto com a indústria automobilística, diz Mantega

Após reunião com a GM, ministro da Fazenda afirma ter firmado acordo com o setor para que os empregos sejam mantidos 

Agência Estado,

31 de julho de 2012 | 12h06

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira, após reunião com o diretor da General Motors (GM), Luiz Moan, que foi firmado um pacto com a indústria automobilística para que os empregos sejam mantidos. Mantega afirmou ainda que o setor se comprometeu em manter, ou até mesmo aumentar, os investimentos.

Segundo o ministro, serão avaliados os resultados das medidas para o setor automotivo, mas ele considerou que o balanço das medidas é "muito positivo". Ele lembrou que houve uma reação forte das vendas de veículos e que, provavelmente, julho terá venda recorde para o mês, de cerca de 360 mil unidades.

Ele advertiu que o governo brasileiro está verificando se houve aumento da oferta de trabalho na indústria automobilística e avaliou que não há sentido que ocorram demissões. "Verificamos que a GM está com saldo positivo de empregos. Isso não significa que não houve demissões. Há problemas localizados em algumas fábricas."

"É fundamental a manutenção do emprego no Brasil", afirmou Mantega. Para o ministro, em alguns setores falta mão de obra. Estamos gerando emprego no meio dessa crise toda. Setor automotivo está cumprindo sua parte, vamos continuar avaliando."

Segundo o ministro, as importações de veículos estão caindo fortemente. O mercado nacional volta a ser ocupado pelo produto nacional.

Manifestação

Um carro de som de sindicato reivindicando aumento salarial atrapalhou a entrevista concedida pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, há pouco no sexto andar do prédio do Ministério. Apesar disso, Mantega manteve o bom humor. "Vocês podiam não ter trazido esta música", disse, aos jornalistas.

Os profissionais da imprensa responderam que cantorias e discursos em microfones têm sido recorrentes na Esplanada dos Ministérios. "Por isso eu estava de férias", brincou o ministro. Nos últimos dias, o som que mais se escuta no Planalto é "Índia", na versão gravada pelo palhaço Tiririca, que conta com uma só frase, "Índia seus cabelos", cantada repetidamente.

Durante a coletiva, a equipe de som da Fazenda aumentou o volume do microfone de Mantega para que pudesse ser ouvido pelos jornalistas. Enquanto isso, de fora da janela se ouvia: "Alô, Mantega, abre o cofre".

Tudo o que sabemos sobre:
MantegaGM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.