finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

‘Fizemos tudo que era preciso’, afirma Deloitte

Com mais de 90 páginas de explicações, a defesa da Deloitte nega a acusação feita pelo Banco Central de não ter adotado procedimentos "adequados e suficientes" quando auditava o Panamericano. "Fizemos tudo que era preciso fazer", afirma Maurício Pires Resende, sócio da Deloitte. Segundo ele, ao contrário do que diz o BC, o trabalho de auditoria foi focado nas operações de venda de carteiras de crédito para ouras instituições - principal fonte de irregularidades.

David Friedlander e Fausto Macedo, de O Estado de S. Paulo,

16 de fevereiro de 2011 | 23h30

Segundo o BC, em vez de procurar diretamente os bancos que tinham comprado carteiras de empréstimo do Panamericano para conferir informações, a Deloitte pediu que à diretoria do Panamericano que fizesse o pedido. A Deloitte nega. "Enviamos cartas aos principais parceiros do Panamericano pedindo o saldo das transações que incluem cessão de crédito (venda de carteiras). Pedimos mais de uma vez e os bancos não responderam. Por isso, pedimos aos então diretores para nos ajudar", diz Pires.

O auditor nega, também, que, diante da falta de resposta dos bancos, a Deloitte tenha deixado de fazer testes alternativos, como afirmam os relatórios do BC. "Revisamos controles internos, revisamos contratos do banco com outras instituições, confrontamos valores", afirma. De acordo com a Deloitte, o rombo do Panamericano não foi detectado porque era fruto de fraude. "A fraude envolveu a administração anterior do banco e uma série de funcionários, com o objetivo de manipular e adulterar informações", diz o auditor.

 
Tudo o que sabemos sobre:
PanamericanoDeloittefraudebanco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.