finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fluxo de capital voltará aos emergentes em alguns meses, diz Citigroup

Segundo economista, saída de capital tem sido causada pela crise política no Egito, Iêmen e outros países 

Danielle Chaves, da Agência estado,

16 de fevereiro de 2011 | 10h40

O fluxo de saída de capital das economias emergentes durante as últimas semanas tem sido causado pela crise política no Egito, no Iêmen e em outros países e não pelo fortalecimento dos indicadores econômicos dos EUA, afirmou Willem Buiter , economista-chefe global do Citigroup.

Os capitais podem continuar fluindo para fora de algumas economias emergentes nos próximos seis meses, até que haja mais clareza sobre a situação política, disse Buiter à Dow Jones durante um encontro de investidores organizado pelo Citigroup em Cingapura. "Isso é mais a compreensão de que existem riscos soberanos até nos mercados emergentes. A retirada de capital é um caso de, na dúvida, pular fora", disse.

No entanto, Buiter disse esperar que os fluxos de entrada de capital nos mercados emergentes sejam retomados depois de poucos meses. "No final, o crescimento ainda vai acontecer lá (nos países emergentes). Se eu tivesse de investir, eu não faria isso nos EUA", afirmou.

Os investidores têm retirado dinheiro de fundos de mercados emergentes e comprado ações em economias desenvolvidas. Na semana encerrada em 9 de fevereiro, os investidores retiraram US$ 3 bilhões de fundos de ações de mercados emergentes, depois de sacarem US$ 7,02 bilhões na semana anterior, marcando um recorde de três anos nos resgates semanais.

Fundos de mercados desenvolvidos atraíram fluxos de capital pela sexta semana seguida, de acordo com a EPFR Global, que acompanha fundos com quase US$ 14 trilhões em ativos em todo o mundo.

Na conferência em Cingapura, Buiter afirmou que economias emergentes enfrentam os desafios do superaquecimento e das bolhas de ativos conforme lideram a recuperação econômica global. "O próximo desafio para economias emergentes é solucionar o superaquecimento, lidar com o crescimento excessivo no crédito e as bolhas de ativos", disse o economista.

Buiter também alertou que autoridades de economias emergentes como Brasil, China e Índia podem estar atrasados no aperto monetário para tratar da inflação. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.