Fluxo de dólares é essencial para fundo soberano, diz Mantega

Segundo ministro, Brasil tem condição para criar poupança, que vai ajudar em tempos de 'vacas magras'

Fábio Graner e Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

02 de julho de 2008 | 12h35

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta quarta-feira, 2, que a principal condição para a criação de um fundo soberano é o fluxo elevado de moeda estrangeira, que leva a um balanço de pagamentos superavitário. Segundo ele, nos últimos três anos, o Brasil teve essa condição e ela ainda persiste. As outras condições para criação de fundo soberano citadas por Mantega são volume robusto de reservas, superávit primário elevado e saldo alto em conta corrente - esta última não apresentada pelo Brasil. Veja também:Lula assina projeto do Fundo Soberano nesta 4ª, diz MantegaEntenda o que é fundo soberano Na audiência pública na comissão de Finanças e Tributação da Câmara, Mantega apresentou os objetivos do fundo soberano do Brasil (FSB), que são os mesmos mostrados à imprensa na primeira coletiva sobre o fundo, há cerca de dois meses. Um dos objetivos do FSB é ser instrumento anticíclico de política fiscal. "É uma poupança para se usar em momentos de vacas magras", disse Mantega, explicando que fundo deixa um montante de recursos indisponível, e que pode ser utilizado em momento que a economia eventualmente cresça menos e tenha maior dificuldade de gerar superávit primário. Outro objetivo é dar maior estabilidade ao crescimento econômico, bem como melhorar a rentabilidade das reservas e ampliar as ações de empresas brasileiras no exterior, apoiando o comércio externo. Um terceiro objetivo ressaltado por Mantega é a diminuição da pressão de valorização do real, que, segundo ele, hoje se constitui um problema para os exportadores, que estão em desvantagem em relação a outros parceiros comerciais.  Mantega disse que o governo pode acumular poupança fiscal no âmbito do fundo soberano nos próximos anos, se houver disponibilidade de recursos. Para o ministro, o FSB é um instrumento poderoso de política econômica e, por ser anticíclico, tem vantagens sobre a mera elevação do superávit primário, já que os recursos poderão ser utilizados no futuro para, inclusive, reforçar a política fiscal.  Mantega disse ainda que, neste momento, o fundo tem uma ação antiinflacionária, à medida em que a poupança de 0,5% do PIB somada ao superávit primário de 3,8% do PIB, já reduz a demanda do governo e ajuda no esforço de impedir a propagação da inflação.

Mais conteúdo sobre:
Fundo SoberanoGuido Mantega

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.