Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Fluxo de passageiros em vôos domésticos caiu 1% em novembro

O fluxo de passageiros transportados em vôos nacionais caiu 1% em novembro em relação ao mesmo mês no ano passado, informou ontem a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). É o segundo recuo mensal consecutivo. Em outubro, a redução foi de 3,9%. A última vez que houve retração pelo menos duas vezes seguidas foi em 2003, ainda como reflexo dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.A oferta de assentos nos vôos domésticos, porém, aumentou 11,4%, e os aviões operaram com média de 62% de ocupação no mês. De janeiro a novembro, o transporte aéreo de passageiros no País cresceu 7,8%, com aumento de 12,9% de lugares nos aviões. A demanda dos vôos internacionais operados por companhias brasileiras subiu 17,9% em novembro, na comparação com o mesmo mês de 2007. A oferta de assentos aumentou 11,1%, sendo que a taxa média de aproveitamento dos aviões ficou em 66%. No acumulado de 11 meses, o fluxo de passageiros transportados ao exterior cresceu 28,6%, com 19,7% de lugares a mais nas aeronaves."O ano que vem será muito bom para o passageiro, mas ruim para as finanças das companhias aéreas. Com a recessão que afeta o bolso dos passageiros, TAM e Gol vão ter de baixar as tarifas", avalia o consultor aeronáutico Paulo Bittencourt Sampaio. A TAM permanece na liderança do mercado doméstico - em novembro, respondeu por 51,7% do fluxo de passageiros. Pela primeira vez, a Anac unificou os dados da Gol e da Varig, que detêm 40,05% do mercado. Com isso, a WebJet passou à terceira maior empresa nacional, com fatia de 3,67%. A OceanAir ficou com 2,47%.A TAM também obteve a maior participação no transporte ao exterior em novembro, com 84,68%. Gol e Varig ficaram com 14,92%. De janeiro a novembro, a TAM acumula 74,34% dos vôos internacionais. Gol e Varig vêm logo em seguida, com fatia de 24,73%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.