finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fluxo nas rodovias pedagiadas cresce 0,7% em outubro

O fluxo total de veículos nas estradas cresceu 0,7% em outubro em relação a setembro, segundo balanço da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) em parceria com a Tendências Consultoria Integrada. A separação do índice por categorias mostra que no mês passado o movimento de veículos pesados cresceu 2% e o de veículos leves caiu 0,7%. Estes números já estão livres dos efeitos sazonais. São portanto, resultados de uma movimentação real de veículos pelas estradas pedagiadas do País.Para a economista da Tendências Claudia Oshiro, a queda da movimentação dos veículos leves em outubro pode ser atribuída, em parte, à perda de renda do trabalhador em resposta ao aumento da inflação dos alimentos em setembro. "O aumento da inflação corroeu parte da renda do consumidor", diz a economista. Ela destaca ainda que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), utilizado pelo IBGE para deflacionar a renda, foi fortemente afetado pelo aumento da inflação em setembro, o que acabou afetando o tráfego de veículos leves em outubro.Na comparação com outubro ao ano passado, o índice ABCR registra alta de 9,8%. Nesta base de comparação, o fluxo de veículos leves cresceu 9,4% e o de pesados, 10,6%. Nos acumulado dos últimos 12 meses até outubro, o tráfego cresceu 5,8%, com aumento de 6,1% no movimento de veículos leves e de 5,1% no de pesados.De acordo com outro economista da Tendências, Juan Jensen, esse crescimento significativo, na comparação anual, se deve à elevação da renda, que é explicada por mais emprego e salários mais altos, que sustentam o aumento do movimento dos veículos leves e ao crescimento da produção industrial e agrícola, no caso dos veículos pesados.

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agencia Estado

09 de novembro de 2007 | 12h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.