seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Fluxo no comércio exterior caiu em quase todos os setores

A queda de preços dos produtos e o significativo recuo das vendas para o Mercosul foram os principais motivos do mau desempenho das exportações brasileiras no primeiro trimestre do ano. A conclusão é do último boletim setorial da Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior (Funcex). Segundo o estudo, todos os setores analisados registraram queda nas exportações para o Mercosul e na rentabilidade das vendas externas.Enquanto as exportações totais do Brasil caíram 13,8% no primeiro trimestre, na região do Mercosul o tombo foi de 60,7%, uma queda quatro vezes e meia superior à média geral. Mesmo levando em conta que as vendas para os parceiros regionais responde por apenas 12,5% da pauta global do País, a queda para o Mercosul contribuiu com 55,3% do recuo total do período. O boletim também mostra que a queda de preços pesou mais do que o recuo do volume de produtos exportados.O boletim da Funcex mostra que a queda dos fluxos de comércio do Brasil no primeiro trimestre foi praticamente uniforme nos primeiros três meses do ano. Apenas quatro dos 27 setores de exportação analisados tiveram crescimento comparado ao primeiro trimestre de 2002: madeira e mobiliário (3,1%), elementos químicos (6,8%), químicos diversos (0,7%) e indústrias diversas (1%). Já as maiores quedas ficaram por conta de refino de petróleo (-59,7%), celulose, papel e gráfica (-37,4%) e outros produtos alimentares (-37,2%).A análise dos saldos setoriais traz, contudo, duas boas notícias. Apenas sete dos setores pesquisados apresentaram pioras nos seus resultados, comparado ao primeiro trimestre do ano passado. Além disso, setores tradicionalmente deficitários encolheram seus saldos negativos no período analisado. Foi o caso dos setores de máquinas e tratores, equipamentos eletrônicos, material elétrico e refino de petróleo.

Agencia Estado,

22 de maio de 2002 | 18h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.