FMI adverte Argentina sobre déficit em conta corrente

A Argentina recebeu uma advertência do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre o aumento significativo do déficit em conta corrente do país e um alerta de que o Produto Interno Bruto (PIB) vai diminuir seu ritmo de crescimento em 2012. O relatório Perspectivas Econômicas Mundiais, divulgado hoje, estima que a expansão do PIB argentino passe de 8% neste ano para 4,6% em 2012.

MARINA GUIMARÃES, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

20 de setembro de 2011 | 13h06

No capítulo dedicado à Argentina, o FMI voltou a criticar o país pela falta de transparência na apuração e publicação dos dados de inflação e crescimento econômico. "Enquanto a qualidade dos dados não melhorar, o FMI continuará usando medidas alternativas para estimar o crescimento do PIB e a inflação, incluindo as estimativas de analistas privados, que têm calculado que o crescimento do país é, em média, significativamente menor que o crescimento do PIB oficial desde 2008."

O FMI afirmou que continuará usando os números fornecidos pelos "institutos de estatísticas provinciais e analistas privados, os quais têm mostrado que a inflação é consideravelmente mais alta" que a projetada pelo governo desde 2007.

O relatório advertiu ainda sobre o aquecimento da economia latino-americana e apontou para o elevado nível de inflação da Argentina e da Venezuela. "Projeta-se que a inflação vai continuar em dois dígitos, refletindo as políticas expansivas desses países", ressaltou o documento. O fundo disse que "o risco de superaquecimento na Argentina é mais iminente" e recomenda a adoção de uma política monetária mais rígida.

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaeconomiaFMIdéficit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.