FMI afirma que está vendo mais estabilidade na Argentina

O economista indiano Anoop Singh, chefe do Departamento Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), declarou nesta quinta-feira que está percebendo ?muito mais estabilidade na Argentina atualmente?. Segundo Singh, este é o momento adequado para que o governo do presidente Eduardo Duhalde coloque em andamento ?um programa que reforce a estabilidade e a torne sustentável?.Além de Singh, o sub-secretário para Assuntos Internacionais Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, John Taylor, sustentou que ?quanto antes o governo argentino negocie com seus credoresinternacionais, será melhor?. Na véspera, Taylor havia afirmado que oacordo entre a Argentina e o FMI estava próximo.Segundo o economista Norberto Sosa, as declarações favoráveis do FMIsobre a Argentina indicam que o governo dos Estados Unidos, que poderia entrar em um novo conflito com o Iraque, pretende evitar complicações financeiras no Cone Sul. Nesta quinta-feira, o ministério da Economia enviou ao FMI uma série de correções na carta de intenções apresentado pelo organismo financeiro. Um dos pontos que o ministro da Economia, Roberto Lavagna, rejeitou da carta do FMI era o aumento de 20% a 30% das tarifas das empresas de serviços públicos privatizados. Lavagna também se recusa a aumentar os impostos.Outro ponto que o ministro rejeita é a liberação total do câmbio.Lavagna também possui restrições à reforma que o FMI exige no sistema bancário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.