finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

FMI afirma que moeda chinesa está subvalorizada

O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou hoje que a moeda chinesa, o yuan, está "significativamente subvalorizado", enquanto o dólar e o euro estão acima de suas taxas de câmbio desejáveis. Os comentários do fundo pressionam ainda mais o governo da China para que permita que o yuan se valorize em relação a outras importantes moedas internacionais.

FILIPE DOMINGUES, Agencia Estado

07 de novembro de 2009 | 15h02

Os apontamentos do FMI foram feitos em documento apresentado aos ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do grupo das 20 maiores economias do mundo (G-20), que traçaram hoje prospectos para a economia global e princípios para remoção das medidas de estímulo à economia.

A China tem mantido o yuan estável ante o dólar desde julho de 2008, em um esforço para sustentar o crescimento por meio da manutenção da competitividade de suas exportações. Mas com previsões neste ano de crescimento mais rápido para a economia chinesa do que para outros membros do G-20, os pedidos para apreciação do yuan se fortalecem.

"Em contraste com a experiência do câmbio de muitas outras economias emergentes, o renminbi chinês (yuan) tem se depreciado em termos reais, seguindo o dólar, e permanece significativamente subvalorizado numa visão de médio prazo", comentou o FMI.

Desde que o dólar se depreciou frente ao euro, o yuan também se enfraqueceu em relação à moeda europeia, estimulando autoridades da Zona do Euro a pedir alguma ação para reverter a queda. Na quinta-feira, o presidente do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet, comentou: "Consideramos que uma valorização ordenada e progressiva das moedas da Ásia, e, claro, da China, é algo que seria bem-vindo para a prosperidade geral e para o balanceamento da economia global". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIG-20Chinayuan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.