finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

FMI alerta para risco de crise na economia global

Economista-chefe afirma que combinação de fatores pode levar à crise global.

BBC Brasil, BBC

28 de novembro de 2007 | 10h30

O economista-chefe do FMI (Fundo Monetário Internacional) alertou que a economia mundial pode estar diante de uma "tempestade perfeita", que provocaria contração no comércio internacional.A expressão se refere à ocorrência simultânea de eventos que, individualmente, seriam muito menos poderosos do que sua combinação.Em entrevista à BBC, Simon Johnson disse que o FMI espera uma redução na previsão de crescimento econômico tanto dos Estados Unidos quanto da Europa.Johnson reconheceu que em setembro passado havia sinais de que a crise no mercado de hipotecas de alto-risco nos Estados Unidos iria se resolver por conta própria.Mas, em vez disso, a economia mundial agora enfrenta uma nova crise, e, segundo ele, os governos poderão fazer pouco para combatê-la se a alta do preço do petróleo e o risco de inflação os impedir de cortar as taxas de juros.Segundo Johnson, o perigo é a combinação da crise financeira com a crise do petróleo, similar à dos anos 70. "Se essas duas coisas se juntarem, a gente vai ter uma contração do comércio internacional como a do século 19, à qual ninguém estará imune. Não há nenhum país que tenha reservas suficientes para resistir a este tipo de choque."Para Johnson, todas as previsões de crescimento da economia americana são muito otimistas. Ele diz que o que começou como uma crise financeira para os bancos poderá, em breve, afetar a quantia que eles emprestam e prejudicar a atividade econômica em todo o mundo.Seria possível prever qualquer um dos problemas atuais separadamente, disse Johnson, mas não todos ao mesmo tempo.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.