bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

FMI: alta do petróleo afeta pouco o crescimento global

Embora os preços do petróleo estejam em trajetória de elevação desde 2003, tem sido observado "impacto limitado sobre a atividade global até agora", afirmou o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Rodrigo de Rato. Ele advertiu, no entanto, que o avanço do preço da commodity "certamente é um risco que está aumentando".A ausência de "grande impacto sobre a atividade", argumenta Rato, deriva, em grande parte, do fato de que o uso desta energia tem sido reduzido em diversos países consumidores. "No entanto, vemos o mercado (de petróleo) bastante apertado" diante do crescimento da demanda. "Esta condição apertada do mercado tem sido o principal fator a conduzir a elevação dos preços do petróleo na parte mais elevada do intervalo histórico de negociação". Temores geopolíticos renovados e interrupções na oferta também pressionam preços para novas altas, completou, em entrevista coletiva à imprensa, na sede do Fundo em Washington. O diretor observou que, no documento Perspectiva Econômica Global, o FMI aumentou a projeção de preço do petróleo. "Nossa média para o petróleo spot (à vista), uma combinação de diferentes preços (montada pelo Fundo), é US$ 77 por barril no restante do ano e de US$ 79 por barril em 2008. No entanto, completa, "as chances são de que esses preços sigam para cima, e não para baixo. Claro, isto tem implicação sobre a inflação, principalmente dos emergentes. Pode exigir mudança de políticas do ponto de vista dos países e exige que os consumidores estejam atentos aos preços para que, em alguns países, subsídios sejam mudados.".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.