FMI ameaça Argentina com 'cartão vermelho'

Lagarde deu até dezembro para o país regular seu índice de inflação antes de ser 'censurado'

ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2012 | 03h05

"A Argentina tem três meses para evitar o cartão vermelho." Com estas palavras, sem sutilezas, a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, enviou um recado à presidente Cristina Kirchner, indicando que o governo argentino tem até dezembro para normalizar o polêmico índice de inflação elaborado pelo organismo oficial, o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec).

Há suspeitas de que o índice é manipulado pelo governo Kirchner desde janeiro de 2007. De lá para cá, a inflação oficial tem variado entre um terço à metade do cálculo elaborado pelos economistas independentes. Enquanto o governo sustenta que a inflação acumulada em 12 meses é de 9,9%, a média das principais consultorias econômicas do país indica que a alta foi de 23,24%. Simultaneamente, as estimativas de sindicatos e associações dos consumidores elevam o índice para mais de 25%.

"A Argentina é boa no futebol e com certeza entende do que se trata", disparou Lagarde. "Tínhamos de escolher entre o cartão amarelo e o cartão vermelho... escolhemos o amarelo e demos três meses mais antes da declaração de censura à Argentina."

Inédito. Caso o governo argentino ignore o prazo dado pelo FMI, o país seria "censurado", sanção que nunca antes foi aplicada a um país-membro do Fundo. Posteriormente, a Argentina poderia sofrer uma suspensão de sua capacidade de usar os recursos gerais do FMI. Além disso, o organismo poderia suspender os direitos de votação da Argentina no Fundo.

Na semana passada o FMI, em linguagem diplomática, havia pedido à Argentina que aplicasse as medidas necessárias, "sem mais demoras", para regularizar a medição da inflação, já que o índice perdeu toda a credibilidade.

Em 2011, o governo Kirchner e o FMI concordaram em colaborar para definir um novo sistema de estatísticas para o Indec. Mas, apesar das promessas, o Ministério da Economia da Argentina jamais avançou nesse trabalho. Além disso, em agosto concluiu o prazo de 180 dias concedido pelo Fundo para que o governo argentino aperfeiçoasse seu método de medição. No dia 18, o FMI concedeu um prazo adicional, até o dia 17 de dezembro.

A relação da Argentina com o Fundo está em permanente estado de tensão desde a posse do presidente Nestor Kirchner em 2003. Com frequência Kirchner acusava o FMI de ter sido o responsável pela "decadência econômica" do país.

Cristina, ao tomar posse em 2007, ensaiou em algumas ocasiões uma aproximação com o Fundo. No entanto, seu governo alternou esses acenos com duras críticas. Cristina ocasionalmente deixa claro que seu governo não aceitará as "receitas" do organismo internacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.