FMI: América Latina deve reforçar políticas fiscais

O diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Anoop Singh, afirmou que apesar da América Latina registrar um maior período de crescimento dos últimos 30 anos, os governos dos países da região devem reforçar a gestão das políticas fiscais. O dirigente do FMI afirmou que a forte expansão do nível de atividade da região foi propiciada em boa parte pelo aumento do consumo das famílias, mas também registrou uma evolução expressiva dos gastos oficiais.Na sua avaliação, o maior controle das despesas públicas ajuda a conter a inflação, pois tal medida pode ser eficiente para conter excessos de expansão da demanda, que poderiam pressionar para cima o índice de preço ao consumidor.Anoop Singh avalia que os governos da América Latina precisam equilibrar os gastos para privilegiar mais os recursos públicos nas áreas sociais e nos investimentos em infra-estrutura, pois representam melhorias do bem-estar da população e expansão do PIB potencial.Os comentários de Annop Singh foram feitos durante apresentação do relatório Perspectivas Econômicas das Américas, lançado em seminário da Fundação Getúlio Vargas (FGV), organizado em parceria com o Ministério da Fazenda. A abertura do evento foi realizada pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Também participam do evento o Secretário de Acompanhamento Econômico, Nelson Barbosa, o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann, e os professores Luis Carlos Bresser-Pereira, da FGV-SP, e Ricardo Carneiro, da Unicamp e o senador Eduardo Suplicy.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.