FMI anuncia ida de missão a Buenos Aires

O Fundo Monetário Internacional aplaudiu o acordo entre o governo federal da Argentina e as províncias, sobre a divisão de recursos orçamentários, e anunciou que enviará uma missão ao país na próxima semana. O novo diretor do departamento de Operações Especiais, o indiano Anoop Singh, chefiará a equipe de técnicos do Fundo que viajará a Buenos Aires. "É um sinal muito bem-vindo e que estávamos esperando", disse o porta-voz do FMI, Thomas Dawson, referindo-se à afirmação do ministro da Economia da Argentina, Jorge Remes Lenicov, sobre o acordo entre Buenos Aires e as províncias. Mas Dawson ressalvou que há ainda muito por ser feito até a obtenção de um acordo que leve novos recursos financeiros ao país. Ele também manifestou a preocupação da instituição com a demora da Argentina em enfrentar os problemas que precisam ser resolvidos para que tal acordo seja alcançado. "Quero enfatizar que há ainda um desafio muito grande pela frente, que vai requerer uma grande quantidade de trabalho, e estamos um pouco preocupados, porque o tempo está passando", disse Dawson. Não se trata apenas de se alcançar "uma compreensão completa de tal acordo e da situação fiscal em geral", afirmou. "Há a situação do sistema bancário e questões relacionadas ao tratamento dos investidores, tanto domésticos como estrangeiros". O subsecretário internacional do Tesouro dos Estados Unidos, John Taylor, também elogiou o pacto que o presidente Eduardo Duhalde negociou com os governadores da províncias. Mas deixou claro que o país tem ainda um logo caminho pela frente para reconquistar a credibilidade, dizendo que o acordo precisa ser posto em prática antes de Washington endossar uma operação internacional de apoio à Argentina, a ser montada pelo FMI. Em contraste com seu chefe, o secretário do Tesouro Paul O´Neill, que não perde oportunidade para dar uma chibatada verbal na Argentina cada vez que fala sobre o país, Taylor procurou ser positivo. "A coisa boa aqui é que eles estão começando a tratar de um problema que o próprio governo da Argentina reconhece que é importante e precisa ser tratado", disse o alto funcionário, em depoimento perante a Comissão de Finanças do Senado. "Os esforços dos últimos dias mostram que há progresso". Mas ele enfatizou a importância "vital" da plena implementação do acordo por meio de legislação e de ações concretas das autoridades federais e provinciais. Esta semana, o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Enrique Iglesias, informou que Remes Lenicov deverá apresentar o primeiro esboço do seu programa econômico à comunidade financeira internacional durante a reunião anual do BID, que começa em menos de duas semanas, em Fortaleza. Taylor chefiará a delegação dos EUA ao encontro. O cronograma dos entendimentos propiciado pelo acordo entre Buenos Aires e as províncias faz aumentar a importância da reunião do BID, que reunirá mais de mil representantes de governos e da banca privada na capital cearense. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.