Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

FMI aprova contas e diz que economia do Brasil está forte

O FMI divulgou na noite desta sexta-feira o texto sobre a aprovação da sétima revisão trimestral do atual programa econômico com o Brasil, no valor de cerca de US$ 40,1 bilhões. A conclusão da sétima aprovação permite ao Brasil sacar uma parcela de cerca de US$ 1,3 bilhão, "contudo, as autoridades brasileiras indicaram que não têm intenção de fazer qualquer novo saque do programa", uma vez que o atual programa tem natureza preventiva, de acordo com a nota do Fundo. O total de desembolsos sob o atual programa de crédito soma US$ 25 bilhões.A vice-diretora-gerente do FMI, Anne Krueger, disse que "o desempenho do Brasil continua a ser forte" e todos os critérios de desempenho foram alcançados". Segundo ela, a equipe econômica "continua a tratar o programa (de crédito) como preventivo". Krueger disse que depois de dois trimestres consecutivos registrando taxas anualizadas de crescimento de cerca de 6%, "a recuperação na atividade econômica está agora firmemente estabelecida".De acordo com ela, "as saudáveis políticas do governo contribuíram para aumentar as reservas internacionais, ajudaram a melhorar a composição da dívida pública e fomentaram uma mudança na conta corrente externa". Na opinião da vice-diretora do Brasil, o governo Lula "está ajudando a limitar o impacto da crescente incerteza e recente volatilidade nos mercados financeiros no Brasil".Krueger classificou a condução da política monetária e fiscal de "admirável", mas destacou que o governo precisa executar mais reformas estruturais para sustentar e aumentar o crescimento. Ela cobrou medidas para combater a informalidade na economia. "Iniciativas para reduzir a grau de informalidade também ajudarão a promover o crescimento da produtividade", disse. "Tais políticas, combinadas com uma expansão das metas de assistência para reduzir a pobreza, ajudarão a abrir caminho para uma expansão das oportunidades econômicas para milhões de brasileiros".

Agencia Estado,

18 de junho de 2004 | 21h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.