FMI aprova metas e abre caminho para a Argentina

O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou hoje a segunda revisão das metas fiscais pactadas pelo governo argentino no acordo financeiro assinado em janeiro. Além disso, segundo a porta-voz do FMI, Angela Gaviria, o organismo internacional aprovou um desembolso de US$ 320 milhões para que o país pague parte de suas dívidas com outros organismos de crédito.Com a aprovação da revisão das metas - que estavam atrasadas por causa de reticências do FMI sobre a não implementação de algumas reformas estruturais - fica aberto o caminho para as negociações para um novo acordo financeiro. O atual acordo, assinado em janeiro por Eduardo Duhalde, antecessor do atual presidente, Néstor Kirchner, é provisório e vence em agosto.A Argentina precisa um novo acordo com pressa, já que em setembro vencem dívidas com o FMI, por um total de US$ 3,1 bilhões. As negociações sobre o novo acordo teriam um pontapé inicial com a chegada do diretor do FMI, Horst Köhler à Buenos Aires na segunda-feira. Köhler virá para iniciar uma nova etapa nas relações Argentina-FMI, abaladas nos últimos dois anos.Neste período, a Argentina declarou o default da dívida externa pública e atrasou pagamentos com os organismos financeiros internacionais em mais de uma ocasião. Além disso, proliferaram a troca pública de acusações entre o Fundo e os diversos governos que passaram pela Casa Rosada nos últimos dois anos.O chefe do gabinete de ministros, Alberto Fernández, declarou que a Argentina ainda precisa conseguir um "horizonte com maiores certezas". No entanto, afirmou que isso será obtido "quando terminarem as negociações com os organismos financeiros".Credores - O secretário de Finanças, Guillermo Nielsen, conseguiu dos assessores da Agência de Reestruturação de Bônus Argentinos (ABRA), que reúne credores de diversos países europeus, especialmente alemães, a promessa de que esperarão até setembro, quando o governo Kirchner realizará uma oferta de reestruturação da dívida com os credores privados.Segundo o secretário Nielsen, a Argentina anunciaria sua proposta de reestruturação da dívida no dia 23 de setembro durante a reunião anual do FMI em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Antes de entrar na Justiça contra o Estado argentino, os credores decidiram esperar o anúncio da proposta argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.