FMI cede em debate sobre taxa do yuan

Em documento, Fundo prefere não classificar a moeda como ‘significativamente desvalorizada’

Reuters,

28 de julho de 2010 | 08h28

O Fundo Monetário Internacional (FMI) preferiu não chamar o yuan de moeda "significativamente desvalorizada", uma ação que reconhece os esforços da China para desfixar sua taxa de câmbio e que evita tensões com um país cada vez mais influente.

O resumo da revisão anual do FMI das políticas econômicas chinesas omitiu a palavra conflituosa, usada pela última vez em junho pelo diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn - algo que irritou Pequim.

Alguns dos 24 membros do conselho executivo da organização acreditam que a moeda chinesa está muito desvalorizada, segundo o FMI. Mas outros afirmaram que já está acontecendo uma redução estrutural no superávit do balanço de pagamentos da China graças a medidas de incentivo ao consumo, e algumas autoridades discordaram que o yuan esteja substancialmente desvalorizado.

"Isso reflete uma suavização na posição do conselho sobre o grau de ajuste necessário no regime cambial chinês", disse Eswar Prasad, membro da Brookings Institution e ex-membro do FMI.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.