FMI confirma vinda de missão ao Brasil nos próximos dias

O diretor de relações externas e principal porta-voz do FMI, Thomas Dawson, confirmou hoje a ida ao Brasil, nos próximos dias, da missão que vai fazer a quinta revisão do acordo com o governo brasileiro. A missão chegará tão logo o governo tenha os números oficiais das contas públicas fechados do terceiro trimestre. Ele confirmou as discussões iniciadas pelo ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e o diretor-gerente do Fundo, Horst Koehler, em Dubai. Na semana passada, o secretário do Tesouro, Joaquim Levy, também esteve no FMI mantendo conversações. "Nós vamos ouvir as autoridades brasileiras e estamos prontos a apoiar o governo do Brasil, que continua cumprindo todas as metas com folga, mesmo para um otimista como eu", afirmou Dawson. Segundo fontes ouvidas pelo Estado, a missão viria com poderes de negociações.Polêmica do gastos sociaisEle disse que o FMI continua discutindo com todos os países como contabilizar alguns gastos sociais e despesas com infra-estrutura de forma a reforçar programas de estabilidade. O porta-voz do Fundo reconheceu que a imagem do FMI em relação a esta discussão no passado não é positiva. Mas destacou que não há um modelo único e que este tema é tratado caso a caso, país por país. Segundo ele, o importante é que o orçamento precisa ser financiável. "Todas as despesas do orçamento precisam ser financiáveis", afirmou, sugerindo que, embora se admita a discussão, na prática é incerto se ela produzirá algum efeito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.