Yuri Gripas/Reuters
Yuri Gripas/Reuters

FMI corta projeção de crescimento do PIB dos EUA em 2022 e 2023

Estimativa é de que a economia americana deve crescer 2,3% este ano e 1% no ano que vem

Gabriel Bueno da Costa, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2022 | 19h11

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu suas projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos, e espera agora um crescimento de 2,3% em 2022 e de 1% em 2023. Em comunicado divulgado no dia 24 de junho, as previsões eram de altas de 2,9% e 1,7%, respectivamente.

A mais recente previsão está em relatório do Fundo sobre o país, publicado nesta terça-feira, 12, após consultas no âmbito do Artigo IV do regimento do FMI.

Além do menor crescimento do PIB, o organismo projeta também uma inflação elevada. Na estimativa do FMI, o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) dos EUA deve mostrar avanço de 5,2%, no quarto trimestre, na comparação com igual período do ano passado. Para o fim de 2023, o FMI prevê alta de 2%.

Já o núcleo do PCE, que exclui atividades com preços mais voláteis como alimentos e energia, deve subir 4,4% no quarto trimestre deste ano e 2,2% em igual período de 2023.

A meta do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) é de uma inflação de 2% ao ano. Em geral, os dirigentes do Fed dão mais peso ao núcleo do indicador.

Nesse contexto, o FMI avalia que a prioridade para os Estados Unidos neste momento deve ser "desacelerar rapidamente o crescimento dos preços sem precipitar uma recessão".

O Fundo projeta ainda que a taxa de desemprego do país esteja em 3,7% no fim deste ano e em 4,6% ao final de 2023. Já para a taxa média dos juros básicos nos EUA, os fed funds, prevê 1,5% neste ano, 3,8% no próximo e 3,5% em 2024.

O relatório destaca a "rápida recuperação" dos EUA após o choque da covid-19, mas aponta que ela veio acompanhada por "forte aumento nos salários nominais e nos preços".

O retorno à estabilidade na inflação "exigirá uma retirada assertiva de acomodação monetária", defende, pedindo ainda especial atenção do Fed à comunicação de seus passos, nesse contexto.

O FMI prevê que o "forte impulso subjacente" da economia dos EUA deve perder fôlego ao longo dos próximos dois anos. O maior risco de baixa atual seria um aperto monetário abrupto nas condições financeiras, avalia.

Ainda para o Fundo, além dos riscos de baixa macroeconômicos, é possível que os mercados "possam não absorver de modo suave as taxas de juros mais elevadas e a redução no balanço do Fed".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.