FMI defende investimento público em infraestrutura para crescer

Para Fundo, projetos podem trazer retornos que paguem dívida, evitando o endividamento em relação ao PIB

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2014 | 02h05

O Fundo Monetário Internacional (FMI) se afastou das receitas amargas de ajuste fiscal e defendeu o aumento do investimento público em infraestrutura como caminho para aumentar o crescimento num cenário de baixa taxa de juros e lento ritmo de expansão em muitos países. Na avaliação do FMI, os projetos podem gerar retornos que paguem as dívidas contraídas para sua execução e evitar a elevação do endividamento público em relação ao PIB.

A infraestrutura ganhou um capítulo no Panorama Econômico Mundial do FMI e ontem foi objeto de dois painéis do encontro anual da instituição, que ocorre desde terça-feira. Em um deles, o Brasil ganhou destaque pelas suas deficiências e pelas dificuldades que enfrenta para superá-las.

O mundo desenvolvido registra juros próximos de zero há seis anos, mas não conseguiu uma recuperação correspondente da atividade produtiva. Na avaliação do Fundo, o investimento público em infraestrutura é um dos poucos instrumentos de política econômica que sobraram para estimular o crescimento. No mundo em desenvolvimento, teriam o papel adicional de aliviar os gargalos que limitam a expansão do PIB.

Bumerangue. O FMI sugeriu que economias avançadas podem se beneficiar do investimento em infraestrutura mesmo que isso leve ao aumento do endividamento. Se houver necessidade real dessas obras, o retorno econômico dos projetos pode levar à redução da relação entre dívida púbica e PIB. Esse movimento é menos óbvio nos países emergentes, que devem avaliar os benefícios das obras e os riscos fiscais envolvidos, disse a instituição.

"É uma mudança ideológica do Fundo", avaliou o assessor da presidência do BNDES, Ernesto Lozardo, em entrevista ao Estado. João Carlos Ferraz, diretor do BNDES, reconheceu que os juros elevados dificultam a execução de projetos no Brasil, já que aumentam a taxa de retorno exigida e dificultam o cálculo da remuneração do investimento no longo prazo. Além disso, criam uma opção líquida e segura de investimento, que reduz a atratividade dos projetos de infraestrutura.

Lozardo defendeu a necessidade de corte do gasto público que crie espaço para redução dos juros e estabilidade da taxa de câmbio. "Nós não temos uma crise de dívida, mas houve expansão fiscal direcionada ao consumo, não ao investimento", observou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.