FMI descarta ajuda financeira para Argentina agora

O Fundo Monetário Internacional não iniciará negociações para conceder uma nova ajuda financeira à Argentina antes da apresentação de um plano que contenha uma política econômica sustentável e que ajude o país a recuperar-se. Esta é a posição da sub-diretora gerente do FMI, Anne Krueger, manifestada em uma conferência sobre o euro, ocasião em que deixou claro que "as mudanças fiscais devem levar o país a uma situação mais estável". A número dois do FMI afirmou também que o governo precisa ordenar os temas relacionados às taxas de câmbio para conversão das dívidas, as leis de falência, o sistema financeiro e uma renegociação da dívida pública. Krueger disse que a Argentina não está atualmente interessada em conseguir novos créditos. "Não tem sentido emprestar mais dinheiro à Argentina neste momento", arrematou Anne Krueger. Porém, diariamente o presidente Eduardo Duhalde e seus ministros fazem apelos aos organismos internacionais para que concedam a ajuda financeira que o país tanto precisa para retomar o crescimento. Segundo cálculos do governo, conforme o vice-ministro de Economia, Jorge Todesca, a Argentina necessita de US$ 20 bilhões. As informações estão no site do jornal Ámbito Financiero. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.