FMI diz que economia do Brasil poderá crescer 5%

De acordo com diretor para as Américas, país poderá superar estimativa do fundo.

Bruno Garcez, BBC

20 de outubro de 2007 | 18h35

O diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Anoop Singh, disse que a economia brasileira poderá crescer a uma taxa superior à estimada pelo fundo e alcançar a marca de 5%.Em seu mais recente relatório, o fundo avaliou que o PIB do Brasil cresceria 4,4% neste ano e 4% em 2008.''O fato é que o crescimento do Brasil encostou em 5% no segundo trimestre, isso mostra que o Brasil pode crescer 5% e este é um bom crescimento", afirmou Anoop Singh neste sábado.Na sexta-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a estimativa do FMI demonstrava desconhecimento da economia brasileira por parte do órgão e afirmou que o Brasil cresceria entre 4,7% e 4,8% neste ano e deveria chegar a 5% em 2008. De acordo com o diretor do fundo, a América Latina resistiu bem às recentes instabilidades nos mercados financeiros mundiais, devido ao fortalecimento dos princípios econômicos na maior parte dos países da região e no compromisso que as nações latino-americanas vêm demonstrando em preservar a estabilidade macroeconômica. Mas ele acrescentou que os países latino-americanos precisam implantar reformas a fim de assegurar que não se deixarão afetar por choques futuros. Entre as medidas que Singh julga que o Brasil e os demais países latino-americanos precisam implantar estão o aumento de investimentos e da produtividade, o corte de gastos primários e uma supervisão financeira eficaz. Mas ele frisou que o fundo não está ''impaciente'' em relação a reformas. Singh destacou que o Brasil tem feito um bom trabalho e ''poderá crescer a uma taxa maior no médio prazo e tem a capacidade de fazê-lo, mas precisa de mais investimentos e isso é reconhecido pelo próprio governo''. Singh também destacou que os índices de inflação entre os países latino-americanos permanecem a níveis historicamente baixos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.