Yuri Gripas/Reuters
Yuri Gripas/Reuters

FMI diz que está trabalhando para fortalecer contribuição do comércio para as economias

Instituição afirma que 'a política fiscal deve ser flexível e favorável ao crescimento'; questão vem em meio a discussões do aumento do protecionismo do governo de Donald Trump

Niviane Magalhães, O Estado de S.Paulo

21 Abril 2018 | 16h03

SÃO PAULO - O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse neste sábado, 21, que está trabalhando para fortalecer a contribuição do comércio para as economias e que é preciso reconhecer a necessidade de novos diálogos e ações. "Continuaremos a trabalhar por um sistema tributário internacional globalmente justo e moderno, abordando os desafios fiscais e de concorrência", apontou o comunicado de encerramento da reunião de primavera do FMI e do Banco Mundial, em Washington.

+ É ‘vital’ conter a dívida brasileira, diz FMI

O ponto abordado pelo FMI vem na esteira de discussões do aumento do protecionismo do governo do presidente americano, Donald Trump, e suas consequências para as economias mundiais. Hoje, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, acusou que "o comércio global com práticas injustas impedem o crescimento mais forte nos EUA e no mundo, agindo como um obstáculo persistente na economia global".

Ele pediu ao FMI que faça mais para combater práticas comerciais desleais. No mês passado, impôs impostos sobre aço importado e alumínio. Em seguida, propôs tarifas de US$ 50 bilhões em produtos chineses para sancionar Pequim por seus esforços agressivos para obter a tecnologia dos EUA.

+ FMI melhora projeção do PIB do Brasil em 2018 e 2019

"A política fiscal deve ser flexível e favorável ao crescimento, criar espaço para investir em infraestrutura e habilidades da força de trabalho e garantir que a dívida pública como parcela do PIB esteja em um caminho sustentável", ressaltou a instituição.

Além disso, o fundo destacou ainda que as reformas estruturais devem ter como objetivo elevar a produtividade, o crescimento potencial e o emprego, auxiliando efetivamente aqueles que arcam com o custo do ajuste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.