FMI diz que estímulo na China deve ter consumidores como alvo

A China tem espaço para novos estímulos fiscais caso seja afetada por choques econômicos vindos da Europa e dos Estados Unidos, mas estaria em uma posição melhor se eles fossem direcionados aos consumidores, não a maiores investimentos ou crédito para os bancos, afirmou o Fundo Monetário Internacional (FMI) neste sábado.

REUTERS

24 de setembro de 2011 | 14h00

Anoop Singh, diretor do FMI para a região da Ásia-Pacífico, disse que qualquer novo estímulo de Pequim, no entanto, teria menos impacto sobre o crescimento global do que uma rodada anterior de gastos no período entre 2008 e 2009.

"Julgamos que há espaço na China para realizar maiores estímulos fiscais caso necessário. Isso ajudaria o país se feito por meio do consumo", disse Singh durante uma coletiva de imprensa.

(Reportagem de David Lawder e Frank Tang)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINAFMI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.