FMI diz que políticas de estímulo devem seguir vigentes

Reformas de regulação financeira estão progredindo muito devagar, alerta diretor-gerente do Fundo

REUTERS

11 de setembro de 2009 | 07h24

Os governos ao redor do mundo não deveriam interromper as políticas de estímulo econômico, já que a crise ainda não chegou ao fim, disse o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn.

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

Em entrevista ao jornal francês Le Monde que será publicada no sábado, Strauss-Kahn acrescentou que as reformas de regulação financeira estão progredindo muito devagar.

"De um lado, as políticas públicas de suporte não devem ser suspensas. A demanda privada ainda está extremamente fraca e correríamos o risco de uma recaída", disse ele.

"Por outro lado, temos que preparar agora estratégias de saída adaptadas para cada país."

Tudo o que sabemos sobre:
MACROFMIPOLITICAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.