FMI e decisão Suprema Corte sobre Corralito

Embora o levantamento do controle de depósitos bancários seja um dos pré-requisitos do plano econômico que as autoridades argentinas vinham se preparando para discutir com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a decisão da Suprema Corte do país de declarar a insconstitucionalidade da medida - adotada no governo de Fernando de la Rua - foi recebida pelo Fundo com surpresa e preocupação. Horas antes de o supremo argentino anunciar a decisão, o porta-voz do Fundo, Thomas Dawson, havia dito, em Washington, que a instituição não estava pedindo à Argentina para tomar "ações apressadas", seja em relação ao levantamento do chamado "corralito" dos depósitos, seja quanto à flutuação do peso, que também é condição para um programa de estabilização apoiado pelo Fundo. Dawson disse que um dos objetivos do envolvimento do FMI em consultas técnicas com as autoridades de Beanos Aires é ajudar a encontrar o caminho para levantar os controles que impedem o acesso dos argentinos a seus depósitos em banco e alimenta tanto a paralisia econômica quanto a tensão social e a revolta da população contra os políticos. Segundo fonte do FMI, a instituição compreende que uma reversão súbita e mal preparada da medida pode causar mais danos do que benefícios, pois os bancos não têm em caixa o dinheiro que seria demandado pelos depositantes. De acordo com a mesma fonte, a decretação dos feriados bancários foi feita em consulta com o FMI. Uma equipe de técnicos do Fundo está em Buenos Aires desde a semana passada. Também se encontra na capital argentina o diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo, Claudio Loser, com a missão de preparar o caminho para a negociação entre o país e a instituição com base no programa econômico que o governo pretendia apresentar neste fim de semana, mas que adiado por causa da decisão da Suprema Corte sobre ´corralito". Na sexta-feira, o FMI disse que suas discussões com a administração do presidente Eduardo Duhalde "estavam indo bem". O efeito imediato da decisão do supremo é o de intensificar as consultas técnicas em busca de uma saída ordenada e que impeça o caos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.