Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

FMI elogia reformas e pede atenção com a inflação

A missão do FMI deixou o Ministério da Fazenda hoje elogiando as propostas das reformas da Previdência e tributária, assim como a política econômica do governo, mas alertou que os índices de inflação ainda requerem "atenção". Segundo o diretor-adjunto do Departamento de Hemisfério Ocidental do FMI, Jorge Ruarte, as reformas são muito importantes para melhorar a eficiência da economia brasileira. "O governo tem mostrado muita coragem, muita visão e perícia em como levar as reformas a diante", afirmou.Na avaliação de Ruarte, o governo conta com o apoio do Congresso para aprovar as duas propostas e deve continuar seguindo a linha que vem sendo adotada até agora. "O melhor para o governo (brasileiro) é continuar sua política", afirmou. Ruarte destacou que as discussões que os técnicos do Fundo pretende fazer sobre as reformas ficarão centradas nos efeitos da aprovação delas, já que a forma e o conteúdo não cabem ser discutidas pelo FMI mas sim pelo governo e o Congresso.Para ele, alguns fatores são importantes no questão inflacionária no Brasil. Em primeiro lugar, Ruarte destacou a ação do Banco Central no combate à inflação que, segundo ele, tem sido adequada. Além disso, a própria queda dos índices e a melhora das expectativas do mercado em relação ao comportamento futuro da inflação no País são elementos importantes para essa análise.Para ele, é o combate à inflação que permitirá ao BC reduzir os juros básicos. "As taxas de juros são altas, mas, quando a inflação cair e não houver problemas de expectativas inflacionárias, os juros também vão cair", disse. "O Banco Central está seguindo bem de perto o processo inflacionário, com muita atenção e inteligência. O governo e o BC merecem apoio para acabar com a inflação", disse.

Agencia Estado,

05 de maio de 2003 | 18h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.