Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

FMI: emergentes devem preparar-se para desaquecimento

As economias emergentes devem estar preparadas para responder apropriadamente a um possível desaquecimento e buscar medidas para estimular a demanda local, afirmou o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Khan. "Em política econômica, as economias emergentes devem considerar como responderão a um desaquecimento... quanto espaço há para afrouxamento de política monetária em alguns países e quanto espaço há para estímulo fiscal em outros", disse Strauss-Khan em discurso no Conselho para Pesquisa Indiana. Mesmo em países onde o risco é menor, as autoridades devem usar as ferramentas disponíveis para um estímulo fiscal planejado e adequado, que possa agregar demanda de modo a sustentar o consumo privado, afirmou o diretor-gerente do FMI."Claro que isto tem que ser temporário e que a manutenção de posição fiscal sustentável no longo prazo é muito importante. Mas, de certo modo, política fiscal (de arrecadação e gastos do governo por meio da carga tributária) de médio prazo é uma questão de economizar para um dia chuvoso. E agora está chovendo", disse Strauss-Khan. ÍndiaStrauss-Khan acrescentou que a consolidação fiscal de médio prazo continua sendo uma prioridade para o governo da Índia, já que a economia se expande rapidamente e com taxas elevadas."A Índia já tem taxa de crescimento muito alta e ainda tem dívida pública muito alta; a consolidação fiscal de médio prazo continua sendo uma prioridade", segundo Strauss-Khan. Por lei, o governo hindu é obrigado a reduzir o déficit fiscal para menos de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) até o ano fiscal que se encerra em março de 2009. O governo também tem que eliminar totalmente o déficit de receita, ou a receita total menos as despesas de receita. As despesas de receita são uma medida de gastos correntes que incluem salários, pagamentos de juros em empréstimos governamentais e subsídios.O diretor-gerente do FMI disse ainda que o forte fluxo de capitais na Índia depois da crise de hipotecas de segunda linha (subprime) nos EUA reflete um julgamento do mercado de que as perspectivas econômicas hindus são boas, bem como o prêmio de 4,75 ponto porcentual entre as taxas de empréstimos referenciais do Banco da Índia e as do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA). Mas ele alertou que tal fluxo de capitais pode ser revertido.ChinaStrauss-Khan também afirmou que a teoria de "descolamento" que sugere que Índia e China não serão afetadas por um desaquecimento global pode não ser verdadeira. "As economias emergentes e industriais (como Índia e China) são mais como dois cavalos emparelhados. Se um está cansado, o outro pode assumir mais peso por um tempo. Mas se um pára, o outro não irá muito longe", declarou. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.