FMI encontrará economia brasileira melhor, diz governo

A nova missão do FMI que chega ao Brasil na próxima terça-feira já vai encontrar um melhor desempenho da economia do País. Segundo o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, José Guilherme Reis, os números que constam do memorando de política econômica aprovado pela direção do Fundo na última terça-feira e divulgado hoje pelo ministério foram coletados em outubro, quando o cenário econômico não era tão favorável quanto o de agora. "Os dados poderão ser melhores", afirmou.Um dos números que Reis acredita que possa sofrer alteração é em relação à projeção para o ingresso de investimentos diretos, que é de US$ 16 bilhões. Segundo ele, levando em conta o desempenho do último trimestre do ano passado, meses em que o País recebeu um total de US$ 7,374 bilhões, é possível prever que o valor do final do ano será superior ao que está previsto no memorando. O secretário ressaltou que, exatamente como o governo esperava, está havendo uma reposição de estoques no comércio. Com isso, a equipe econômica acredita que o movimento de retomada da economia seja deslanchado neste início de ano. Normalmente, janeiro é um mês em que a indústria dá férias e o comércio vende produtos que ficaram na prateleira depois das festas de final de ano.Sobre novos saques no FMI, Reis disse que o Brasil não está precisando de dinheiro. "O governo brasileiro vai avaliar se é necessário e quando. Não tem prazo", afirmou. Por ter cumprido as metas previstas para o primeiro trimestre do acordo, o Brasil ganhou o direito de sacar os US$ 448 milhões da segunda parcela do empréstimo de US$ 15,6 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.