FMI espera o pior crescimento mundial desde a 2ª Guerra

A entidade corrigiu ainda o valor projetado para o crescimento no Brasil para 2009, de 1,8% em vez de 3%

Da Redação,

28 de janeiro de 2009 | 12h18

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para baixo a previsão de crescimento mundial de 2,2% para 0,5%. Se confirmada a expectativa do Fundo divulgada nesta quarta-feira, 28, será a pior taxa de crescimento desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). A entidade corrigiu ainda o valor projetado para o crescimento no Brasil para 2009, de 1,8% em vez dos 3% anunciados em novembro.   Veja Também: Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise     Em um relatório divulgado nesta quarta-feira, a entidade explica a revisão argumentando que as dificuldades financeiras no mundo continuam agudas, apesar das várias políticas de incentivo adotadas recentemente em vários países, e que isso está atrapalhando a economia.   "Uma recuperação econômica sustentável não será possível até que a funcionalidade do setor financeiro seja restaurada e o mercado de crédito seja desobstruído", diz o documento.   Recuperação   Ainda assim, o FMI prevê que a economia mundial deve passar por uma recuperação gradual em 2010, com crescimento máximo projetado para 3%.   "Entretanto, este panorama ainda é bastante incerto, e o ritmo da recuperação vai depender de ações políticas fortes", diz o relatório.   O documento ressalta também que o PIB nas economias dos países ricos deve cair em 2% em 2009.   Mas o FMI afirma que se forem tomadas mais medidas para ajudar a normalizar o mercado financeiro nestes países, pode haver uma recuperação no fim do ano e em 2010.   Emergentes   Já o crescimento nas economias emergentes e em desenvolvimento deve se desacelerar, caindo de 6,3% em 2008 para uma previsão de 3,3% em 2009.   Os motivos para isso são a queda na demanda de exportações, o menor preço das commodities e a diminuição dos financiamentos externos.   No caso da China, o crescimento este ano deve ser praticamente a metade do registrado em 2007.   Inflação   O relatório do FMI lembra ainda que a queda nas atividades financeiras e no preço das commodities derrubou as pressões inflacionárias em todo o mundo.   Nos países emergentes e em desenvolvimento, a inflação deve cair para uma média de 5,75% em 2009 e 5% em 2010 - no ano passado ela era de 9,5%.   Nas nações desenvolvidas, a inflação deve atingir uma baixa recorde de 0,25% este ano, antes de subir para 0,75% em 2010. Em 2008, foi de 3,5%.   Mais ajuda   Em entrevista exclusiva à BBC na semana passada, o diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, já havia falado na revisão para baixo da previsão de crescimento.   Ele não descartou que mais países venham a precisar da ajuda do fundo, inclusive na Europa, e afirmou que o FMI poderá precisar de mais dinheiro, caso a crise siga no mesmo ritmo pelos próximos meses.   Mas Strauss-Kahn parece convencido de que o mundo vai se recuperar da crise. "Não sei quanto tempo vai levar, nem quanto vai custar, mas o mundo vai se recuperar desta crise."   O diretor-gerente do FMI disse ainda que a crise é resultado de um sistema de regulação financeira que não funcionou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.