Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

FMI faz aposta inédita na publicidade para melhorar sua imagem

Fundo contrata agências de comunicação na Ásia, África e América Latina; projeto pode custar quase US$ 2 mi

Da Redação,

26 de agosto de 2008 | 19h20

O Fundo Monetário Internacional (FMI) quer melhorar sua imagem em países da África, Ásia e América Latina, segundo reportagem do jornal espanhol El País nesta terça-feira, 26. Para isso, vai recorrer a agências de comunicação nos três continentes, em uma aposta inédita na publicidade. O custo do projeto pode chamar a atenção, mais ainda em um período de "externalização' das atividades do Fundo em nome da redução de gastos. A instituição depende dos recursos de países-membros, que sofreram redução de US$ 100 milhões no último ano. Nesse cenário, o FMI tem aplicado suas próprias receitas e oferecido demissões voluntárias para cortar 380 empregos, segundo a Reuters.  Embora a proposta ainda não esteja fechada, a estimativa é de que o projeto custe entre US$ 1,46 milhões e US$ 1,98 milhões. O porta-voz do FMI, Masood Ahmed, afirmou ao El País que o "custo está mais que coberto pelas economias que estamos realizando" e defende a contratação das agências como uma forma de "sair de Washington" (sede da instituição, acusada de perder o contato com a realidade) e como um "compromisso para tentar melhorar a maneira como respondemos às preocupações e críticas".

Tudo o que sabemos sobre:
FMIPublicidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.