Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

FMI não prevê discussão sobre dívida grega

O Fundo Monetário Internacional (FMI) não "prevê nenhuma discussão de alívio da dívida da Grécia nesta conjuntura", afirmou nesta quinta-feira o porta-voz da instituição, Gerry Rice. Segundo ele, porém, as projeções do FMI mostram que "mais alívio de dívida será necessário para que a Europa cumpra seu compromisso de reduzir a dívida grega de forma significativa para o nível do programa de resgate".

Agencia Estado

06 de junho de 2013 | 14h04

Em relação ao Chipre, onde a primeira avaliação está prevista para o "fim de julho", Rice repetiu a expectativa do FMI de que o país volte a crescer em 2015, apesar dos riscos macroeconômicos.

"Tendo lidado com os principais problemas que o Chipre enfrenta, esperamos que o crescimento seja retomado em 2015, desde que haja um regime favorável de impostos e progresso nas reformas estruturais e institucionais", afirmou. "Mesmo assim, dada a situação do Chipre, é claro que existem incertezas macroeconômicas significativas. Vamos continuar monitorando de perto na medida em que a situação se desenvolve."

Ontem, o FMI divulgou um relatório assumindo ter cometido erros durante o resgate à Grécia. O Fundo afirma que subestimou os danos que suas exigências de austeridade causariam à economia da Grécia, admitiu que flexibilizou as próprias regras para fazer com que a dívida grega parecesse sustentável e que, em retrospecto, o país não cumpriu três de quatro critérios que o qualificariam para o resgate.

Mesmo assim, Rice frisou que o relatório concluiu que, nas mesmas condições e com as mesmas informações, o FMI provavelmente tomaria a mesma decisão hoje. "O atual programa, em muitos aspectos, já internalizou as lições do programa anterior", descritas no relatório. "Apesar das dificuldades, o programa econômico da Grécia hoje está no rumo certo e o documento deixa isso claro", acrescentou. Fonte: Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIEuropadívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.