Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

FMI não vê descontrole da inflação brasileira

Das quase cinco horas de reunião da equipe do Fundo Monetário Internacional (FMI), hoje pela manhã, com os técnicos do Banco Central, a maior parte foi destinada à análise das contas externas brasileiras. Da última vez que a missão esteve oficialmente no Brasil, em junho, os números eram bem diferentes dos atuais.No terceiro dia de encontros com autoridades do governo e representantes do setor privado, os técnicos do FMI disseram não temer um descontrole da inflação. Segundo Lorenzo Perez, diretor-assistente para o Hemisfério Ocidental do Fundo, "não há risco" disso acontecer este ano e nem em 2003. "Ainda não estamos falando disso. A inflação subiu mas acho que não há risco (de haver descontrole)", afirmou.Em junho, o ajuste externo apresentado ao FMI estava ancorado muito mais na queda das importações em função da retração na economia e na alta do dólar do que no aumento das exportações como ocorre atualmente. Além disso, a saída de recursos por meio das contas de não residentes (CC5) havia subido para o patamar de US$ 1 bilhão por mês.Apesar de as remessas via CC5 continuarem elevadas, de junho para cá houve uma mudança significativa no desempenho externo do País. O crédito para as empresas brasileiras ainda não se normalizou mas a dependência externa diminuiu. A projeção do déficit em conta corrente para o ano caiu de US$ 18 bilhões para US$ 11 bilhões. E o principal fator para isso foi a expectativa de um saldo comercial positivo de US$ 11 bilhões contra US$ 5 bilhões estimados no final do primeiro semestre."Estamos examinando os dados. Os números do balanço de pagamentos estão muito bons", resumiu Lorenzo Perez, na saída do encontro. Ex-chefe da missão do Fundo para o Brasil, ele veio acompanhando Jorge Marquez-Ruarte que assume a coordenação dos trabalhos a partir desta revisão. Os técnicos do FMI estiveram com representantes dos departamentos Econômico e de Pesquisa Econômica do BC que explicaram detalhadamente a situação do balanço de pagamentos.Conjuntura"Foi uma reunião de apresentação da conjuntura. Mostramos o ajuste que está ocorrendo no balanço de pagamentos", explicou uma fonte do governo. Após a definição do processo eleitoral, a turbulência no mercado financeiro foi parcialmente revertida, confirmando as expectativas do BC ao revisar, no mês passados, as projeções para as contas externas deste ano e para 2003. Mesmo diante de um cenário internacional ruim, o BC estima que o País conseguirá atrair US$ 16 bilhões em investimentos diretos, valor suficiente para financiar o déficit em conta corrente de US$ 11 bilhões.Num ambiente de escassez de moeda estrangeira, a balança comercial, que é uma fonte importante para trazer dólares para o País, tem registrado resultados maiores do que o esperado. Para o governo estima um saldo comercial positivo de US$ 15 bilhões. Com isso, a expectativa é de que o déficit externo em 2003 caia para US$ 8,9 bilhões.Esse ajuste externo contribui para melhorar a credibilidade do País e retomar o ingresso de outros capitais estrangeiros como financiamentos, empréstimos e aplicações em ações de empresas nacionais. Ainda assim, os dados do BC repassados à missão apontam que a taxa de rolagem das dívidas do setor privado que estão vencendo só deverá se recuperar totalmente no ano que vem. Atualmente, a taxa está em torno de 40%, o que é considerado muito baixo. Isso tem exigido uma atuação mais forte do BC nos últimos meses para suprir a carência de dólares.Além da área econômica, a missão do FMI se reuniu também com técnicos da fiscalização do BC. À tarde, o encontro foi com o ministro do Planejamento, Guilherme Dias, e com o ministro-chefe da Casa Civil, Pedro Parente. Amanhã, a missão estará no Rio de Janeiro onde se encontrará com o presidente do BC, Armínio Fraga. Também participarão do encontro, os diretores da área internacional, Beny Parnes, de Política Monetária, Luiz Fernando Figueiredo, e de Política Econômica, Ilan Goldfajn. Logo em seguida, eles retornarão para Brasília onde terão um encontro, às 15 horas, com o ministro da Previdência Social, José Cechin.

Agencia Estado,

13 de novembro de 2002 | 18h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.