FMI pede informações sobre quadro político

O líder do governo na Câmara, Arnaldo Madeira, se reuniu hoje com a missão do FMI que está no Brasil. Ele disse que nessa conversa fez uma avaliação do quadro político eleitoral, principalmente, em relação aos partidos que integram a base governista. Na avaliação de Madeira, existem hoje dois candidatos dos partidos da base (PFL e PSDB) e o terceiro principal partido (PMDB) está sendo cortejado por ambos. O líder disse que está sendo feito um trabalho de negociação política para que todos esses partidos formem uma aliança para o primeiro turno da disputa. Madeira avaliou que esse processo de negociação se estenderá até o mês de maio e que a possibilidade de aliança vai depender muito de fatores como as pesquisas de intenção de voto e os apoios políticos costurados pelos candidatos. Ele disse, no entanto, que todos os líderes que integram a base governista têm consciência de que caso não seja possível a aliança no primeiro turno será necessária a união no segundo turno para vencer as eleições. Madeira disse que essa não é a primeira vez que a missão do FMI o procura e que isso já ocorreu outras vezes. Desta vez, ressaltou, a reunião com o FMI mereceu algum destaque provavelmente por causa do recesso parlamentar. A missão, segundo ele, está a par dos acontecimentos políticos e fez os mesmos questionamentos que normalmente são feitos pelos jornalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.