FMI pede mais gasto público contra recessão

As previsões de crescimento para 2009 podem se deteriorar ainda mais caso as medidas de socorro à economia global não sejam implementadas logo, e no volume adequado. A análise foi feita ontem pelo diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, para quem serão necessários cerca de US$ 1,2 trilhão para enfrentar a crise. Para tanto, o economista francês pede mais gastos públicos e renúncias fiscais. As declarações foram feitas em entrevista à rádio BBC, de Londres. Segundo ele, os técnicos do FMI deverão rever em janeiro suas previsões para o ano que vem caso os governos não continuem a agir de forma coordenada contra os efeitos da recessão. Em novembro, o fundo já havia reduzido suas previsões de crescimento global de 3% para 2,2%: "Estou preocupado pelo fato que nossas previsões, já muito sombrias, serão ainda mais sombrias se não houver incentivos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.