Tim Sloan/AFP
Tim Sloan/AFP

fundos

Coluna Fabrizio Gueratto: por que o Alaska Black caiu quase 70% com o coronavírus?

Brasil segue em marcha lenta, diz FMI

Relatório aponta crescimento abaixo da média global até 2022; aceleração da economia depende de investimentos e reformas estruturais

Rolf Kuntz, enviado especial, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2017 | 10h13

WASHINGTON - O Brasil continua sem fôlego para acompanhar o crescimento mundial e assim continuará nos próximos anos, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Vencida a recessão, a economia brasileira deve crescer apenas 0,2% neste ano e 1,7% em 2018, sem vigor para avançar muito mais e perdendo em quase todas as comparações – até com a maioria dos países latino-americanos.

Em 2022 o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro ainda aumentará somente 2%, enquanto a produção global avançará 3,8%, puxada principalmente pelo bloco dos emergentes e em desenvolvimento. Para esse grupo está prevista uma expansão de 5%, mesmo com o ritmo chinês diminuído para 5,7%.

Projeções de longo prazo são sujeitas a grandes erros, mas são instrutivas, neste caso, porque ressaltam a diferença de potencial do Brasil e da média dos outros países, pelo menos na visão dos técnicos do FMI. Desde antes da recessão eles têm apontado o enfraquecimento econômico do País, associado em grande parte ao baixo nível de investimento. Até agora os fatos parecem ter confirmado essa avaliação.

Três fatores sustentarão a recuperação econômica do Brasil em 2017 e 2018, segundo o Panorama Econômico Mundial, divulgado ontem pelo FMI: a redução da incerteza política, o afrouxamento monetário (com redução dos juros) e o avanço da agenda de reformas. Mas a incerteza política pode ser até agravada, quando as investigações sobre corrupção atingem políticos dos mais altos escalões, admitiu a economista Oya Celasun, chefe de divisão do Departamento de Pesquisa, liderado por Maurice Obstfeld.

Ela ressaltou, no entanto, o compromisso reformista do governo, reafirmado na semana passada, e notícias positivas sobre a economia brasileira no primeiro bimestre. Ela se referia principalmente aos indicadores do nível de atividade produzidos pelo Banco Central (BC). A continuação do corte de juros, iniciado em outubro e ampliado na semana passada pelo BC, dependerá dos outros dois fatores: a redução da incerteza e o cumprimento da pauta de reformas econômicas, mas a resposta omitiu esse detalhe.

Entre os fatos positivos, o relatório aponta o repique da atividade a partir do fim do ano passado e o forte recuo da inflação, descrito como surpreendente. Esse recuo abriu espaço para uma redução mais veloz dos juros. Mas o crescimento, depois de uma recuperação gradual, deve continuar moderado.

Reformas. As perspectivas macroeconômicas do País, de acordo com o documento, dependem da implementação de um conjunto ambicioso de reformas econômicas estruturais e fiscais. A consolidação fiscal, mesmo com a ênfase inicial na eliminação do déficit orçamentário, dependerá no médio prazo da redução de gastos insustentáveis, incluída a reforma previdenciária. O documento chama a atenção também para o agravamento da crise fiscal em alguns Estados.

Para aumentar o potencial de crescimento e de melhora dos padrões de vida, os brasileiros dependerão, segundo o Panorama, tanto da consolidação fiscal quanto da elevação do investimento e da produtividade. Será preciso eliminar gargalos da infraestrutura, simplificar as normas tributárias e reduzir as barreiras comerciais.

Essa lista de recomendações – e, portanto, de problemas pendentes – ajuda a entender por que o crescimento projetado para o Brasil em 2022, de modestos 2%, ainda é menor que o estimado para o conjunto da América Latina e do Caribe, 2,6%.

A média da região, no entanto, ainda será prejudicada pelo miserável desempenho da Venezuela, com retração de 1,3%. A economia venezuelana está encolhendo desde 2014, quando o PIB diminuiu 3,9%. Houve reduções de 6,2% em 2015 e de 18% em 2016. As estimativas apontam contrações de 7,4% neste ano e de 4,1% em 2018, mantidas, naturalmente, as condições básicas da política. Não cabe aos economistas do FMI jogar com outro tipo de pressupostos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.