FMI prevê pior ano para PIB global desde a 2ª Guerra

A crise em 2009 será mais profunda do que se imaginava. Ontem, o Fundo Monetário Internacional (FMI) admitiu que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial será bem menor do que a entidade estimava há apenas dois meses, até mesmo em relação aos países emergentes. Para o Fundo, o mundo crescerá entre 1% e 1,5% em 2009 e estará em sua pior situação desde o fim da Segunda Guerra Mundial.Essa será a terceira revisão do crescimento em 2009 feita pelo FMI em apenas quatro meses. Em novembro, o Fundo havia indicado que o mundo cresceria cerca de 2,2% em 2009. Em outubro, o crescimento previsto era de 3% para este ano. Na avaliação da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o novo quadro significa que o número de desempregados no planeta até 2010 vai superar a marca de 20 milhões de pessoas. O comércio também deve desabar, assim como os investimentos.A nova estimativa do FMI será confirmada oficialmente na quarta-feira, com cortes de projeções também para os mercados emergentes. Os novos números ainda devem estabelecer o tom dos debates no Fórum Econômico Mundial de Davos, que será aberto na quarta-feira, sua edição mais sombria das últimas décadas.Para o Brasil, a estimativa original do Fundo era de um crescimento de 3,5% em 2009, ante uma projeção do Banco Mundial de expansão de 2,9% no PIB do País. Para o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Brasil precisaria crescer 4% para conter o desemprego.O anúncio da revisão foi feito no domingo pelo vice-diretor do departamento de mercados de capital do FMI, Axel Bertuch-Samuels, em uma declaração à agência Reuters, em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos. Mas, nas organizações internacionais, a notícia já era conhecida e novos números estão sendo produzidos em relação ao impacto social da nova queda. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

JAMIL CHADE, Agencia Estado

26 de janeiro de 2009 | 08h32

Tudo o que sabemos sobre:
criseFMIPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.