FMI prevê queda da inflação no Brasil

O FMI avalia que a atividade econômica vai melhorar no Brasil este ano e a inflação deverá ceder. O cenário foi traçado pelo chefe da missão do FMI em visita ao País, Lorenzo Peres, que reuniu-se nesta segunda-feira no Rio com o presidente do Banco Central, Armínio Fraga, e terça-feira irá se encontrar com o ministro da Fazenda, Pedro Malan, em Brasília.Segundo Peres, o País enfrentou de uma "maneira muito boa" os riscos de contágio da economia argentina, citando a estabilidade do câmbio, e afirmou que existe "uma abertura do mercado de capitais ao Brasil".O representante do FMI sinalizou que poderá haver uma recuperação da atividade econômica dos Estados Unidos e que isto representará um fator positivo também para o País."Então, esperamos que, por um lado, a atividade econômica no Brasil vai melhorar e, por outro, a pressão do câmbio nos preços domésticos vai ser menor este ano. Isto vai permitir que a inflação caia", afirmou Peres.Também participaram do encontro outros três representantes do FMI e o diretor de Política Econômica do BC, Ilan Goldfajn. Apesar do cenário traçado para a inflação, Peres não arriscou-se a comentar a perspectiva de queda dos juros.Durante a reunião com Fraga, segundo o representante FMI, não foram discutidos números, mas o cenário e o panorama macroeconômico do País. Peres confirmou que a situação argentina fez parte dos temas abordados. "Conversamos alguma coisa porque eu estive lá na Argentina", disse, explicando que um dos aspectos era como a situação no país vizinho afetaria a economia brasileira e o comércio entre os dois países.Depois de traçar a síntese dos assuntos abordados com os representantes do BC, o técnico do FMI fez um elogio. Perguntado se o Brasil serviria de exemplo para a Argentina, não respondeu diretamente a questão, mas declarou: "O Brasil é um bom exemplo para muitos países já." A visita faz parte do programa de revisões trimestrais da política e projeções monetárias e fiscais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.