FMI projeta queda de inflação na zona do euro

Segundo relatório, crescimento econômico da região ficará próximo da paralisação no próximo ano

Jan Strupczewski, da Reuters,

21 de outubro de 2008 | 10h21

O crescimento econômico da zona do euro estará próximo de uma paralisação no próximo ano, e a inflação ficará abaixo da meta do Banco Central Europeu (BCE), abrindo espaço para corte na taxa de juro, informou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira, 21. Veja também:BCE injeta mais de US$ 500 bi no mercado para elevar liquidezConsultor responde a dúvidas sobre crise  Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Dicionário da crise   O FMI informou na sua perspectiva econômica semestral para a Europa que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nos 15 países da zona do euro vai desacelerar para 0,2% em 2009, ante o 1,3% previsto para este ano e os 2,6% de 2007. O FMI prevê uma expansão econômica de 1,4% em 2010.  "Apesar destas projeções terem sido terminadas antes da crise ter atingido proporções sistêmicas no começo de outubro, elas permanecem amplamente válidas, mesmo que alguns riscos negativos tenham se materializado", informa o FMI.  A maior economia da zona do euro, a Alemanha, não crescerá no próximo ano, após expansão de 1,8% este ano; e a segunda maior economia da região, a França, terá seu crescimento desacelerado para 0,2%, ante expectativa de 0,8% para este ano. Ao mesmo tempo, o FMI espera que a inflação na zona do euro caia para 1,9% no próximo ano, ante 3,5% este ano.  O BCE pretende manter a inflação abaixo de 2%, mas próxima deste patamar. Um salto nos preço de alimentos e de derivados de petróleo anteriormente este ano levou a expansão de preços ao consumidor para um pico de 4,0% em julho.  O Fundo também informou que espera que o déficit orçamentário agregado na zona do euro aumente para 1,5% do PIB este ano, ante 0,6% em 2007, e depois suba para 2,0% em 2009.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraCrise nos EUAFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.