Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

FMI reafirma disposição para "trabalhar com Brasil"

O Fundo Monetário Internacional (FMI) "está disposto a continuar trabalhando com o Brasil se o País assim o desejar". A afirmação foi feita por Agustin Carstens, vice-diretor gerente do FMI, no seminário "Cenários da Economia Brasileira e Mundial em 2005", realizado hoje na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). "A resposta realmente está com as autoridades brasileiras", afirmou.De acordo com ele, os trabalhos com o Brasil seriam de natureza preventiva no apoio para o País consolidar a sua estrutura macroeconômica.Situação mundialO ano de 2005 terá um crescimento econômico mundial em um ritmo "aceitável" na avaliação de Carstens. Segundo ele, o crescimento econômico global atingiu patamares elevados nos últimos cinco anos. Ele considerou que o crescimento do ano passado foi liderado principalmente pelas políticas fiscais e monetárias expansionistas nos estados industrializados."Na verdade, os países que mais contribuem para o crescimento mundial são os emergentes da Ásia e os Estados Unidos", disse. Entretanto Carstens, alertou que ainda existem desequilíbrios globais que, para serem solucionados, necessitam de um enfoque cooperativo entre as regiões da Ásia, Europa e Estados Unidos.No caso dos Estados Unidos, o economista destacou a importância daquele país prosseguir em sua decisão de realizar um ajuste fiscal para reduzir seus déficits. No caso da Europa, o economista observou que o potencial de crescimento do PIB europeu ainda é muito baixo e que o prosseguimento de reformas estruturais nos países da União Européia poderiam minimizar isso.Já a Ásia tem como uma das maiores preocupações a situação do Japão, que, embora tenha saído de um cenário mais pessimista de deflação, começa a se encontrar cada vez mais dependente da China. Ele afirmou ainda que, de uma maneira geral, o cenário de crescimento mundial pode seguir uma trajetória favorável se os países insistirem em suas reformas estruturais, e assim propagar o crescimento econômico. "Se isso for feito, poderemos um ciclo virtuoso para a economia mundial".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.