finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

FMI recomenda ao BCE 'política acomodatícia'

Lagarde fez um alertapara o excesso de otimismo do mercado com a economia europeia durante evento em Paris

PARIS, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2014 | 02h03

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, pediu que o Banco Central Europeu (BCE) busque uma política monetária acomodatícia e alertou que os participantes dos mercados podem estar excessivamente otimistas com a recuperação da economia europeia.

Durante evento em Paris, Lagarde disse que pesquisas apontam para uma recuperação na Europa, mas, observou, que esse avanço ainda é "frágil, bastante modesto e desequilibrado" na zona do euro. "Os mercados estão muito positivos, talvez positivos demais em comparação com os fundamentos", declarou a dirigente em um painel do qual participava também o ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble.

Segundo Lagarde, o BCE precisa continuar com uma política acomodatícia enquanto a inflação estiver "amplamente abaixo" da meta de estabilidade dos preços, que é de quase 2,0%, e isso prejudicar o crescimento econômico e aumentar o ônus das dívidas. "A atual política monetária do BCE deve continuar acomodatícia (...) até que a demanda privada tenha se recuperado totalmente e o BCE tenha atingido seu objetivo de estabilidade dos preços."

No mesmo painel, Schaeuble expressou um tom bem mais cauteloso sobre a política do BCE. Perguntado se o BCE estava ficando para trás em relação a outros bancos centrais que adotaram o relaxamento quantitativo, Schaeuble respondeu que esse era "o único ponto" em que discordava de Lagarde.

Schaeuble alertou que os níveis de dívida estão muito altos e que a política monetária em todo o mundo deveria levar em conta o risco de criação de bolhas de ativos. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.