André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

FMI recomenda que Brasil insista em medidas para melhorar as contas públicas

Relatório do fundo cita a necessidade de reforma da Previdência, de medidas nos impostos e cortes de gastos para melhorar a trajetória fiscal no curto prazo.

Altamiro Silva Junior, correspondente, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2016 | 16h43

A recessão no Brasil está se mostrando mais longa e mais forte que o esperado e é "imperativo" que o país adote um conjunto de medidas econômicas apropriadas, afirma o Fundo Monetário Internacional (FMI) em um documento que será apresentado na reunião do G-20 dias 26 e 27 na China. A recomendação é que o governo de Dilma Rousseff persiga a melhora das contas fiscais e continue com uma política monetária apertada.

"O governo deve prosseguir a consolidação fiscal resolvendo a rigidez e mandatos insustentáveis no lado dos gastos públicos", afirma o relatório do FMI, chamado Desafios de políticas econômicas e perspectiva global, que contém uma série de recomendações de políticas econômicas. Além disso o documento vê como essencial as reformas estruturais no país, para melhorar a produtividade, a competitividade e a infraestrutura. Neste último caso, o documento pede que o Brasil implemente programa de concessões.

Nas contas fiscais, o FMI fala da necessidade de reforma da Previdência, de medidas nos impostos e cortes de gastos discricionários para melhorar a trajetória das contas públicas no curto prazo.

O documento que o fundo vai apresentar na reunião do G-20 também fala da inflação brasileira. "A redução da inflação para a meta de 4,5% em 2017 vai exigir uma política monetária apertada", afirma o FMI.

A avaliação do FMI é que a deterioração da confiança de empresários e consumidores no Brasil, em meio a condições políticas difíceis, segue pesando na demanda doméstica. O fundo prevê que a economia brasileira vai encolher 3,5% este ano e terá crescimento zero em 2017. Nos dois casos, o desempenho é o pior entre as economias do G-20, de acordo com uma tabela apresentada no relatório.

A economia mundial deve crescer 3,4% este ano e 3,6% no próximo. Os mercados emergentes devem ter expansão de 4,3% e 4,7%. Já para os países que fazem parte do G-20, a previsão é de avanço de 3,4% e 3,7%. A Rússia, que deve encolher 1% este ano, deve voltar a crescer em 2017, com expansão prevista de 1%. A Argentina, outro país com recessão em 2016, também deve melhorar o desempenho no ano que vem, com avanço esperado de 2,6%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.