FMI reduz projeção de crescimento global

O Fundo Monetário Internacional(FMI) reduziu nesta terça-feira sua previsão para o crescimentomundial em 2008 e alertou que a economia global pode ter a piorperformance em cinco anos, podendo desacelerar ainda mais. Culpando a crise nas hipotecas de alto risco (subprime) dosEstados Unidos pela revisão significativa, o FMI disse quenenhum país poderá escapar completamente ileso. "É uma desaceleração significativa. É uma desaceleraçãoglobal, sem nenhuma dúvida", disse a jornalistas oeconomista-chefe do FMI, Simon Johnson. Ele não quiscaracterizar os riscos que podem levar os Estados Unidos a umarecessão, mas o FMI deixou claro que se prepara para maisnotícias ruins. "O equilíbrio geral dos riscos para a perspectiva decrescimento global ainda pende para o lado de baixo", afirmou oFMI na atualização semestral de sua Perspectiva EconômicaGlobal, divulgada em outubro. O FMI reduziu sua projeção global de crescimento em 2008 de4,4 para 4,1 por cento. Esse seria o pior desempenho desde2003, quando a expansão global atingiu 3,6 por cento, e refleteuma desaceleração marcante em relação aos 4,9 por cento do anopassado --ainda que as economias emergentes tenham sesustentado até aqui e que a China não tenha decepcionado. "As tensões no mercado financeiro originadas do setorsubprime... se intensificaram, ao mesmo tempo em que a recentequeda acentuada das ações foi um sintoma do aumento daincerteza." CRISE DE CRÉDITO O FMI disse que o tumulto nos mercados "chegou a uma novafase --fase em que as preocupações com o crédito agora seestendem além do setor subprime" e vão precisar de atençãocuidadosa com o medo de que elas contaminem a economia. "O risco principal para a perspectiva de crescimento globalé que a turbulência corrente nos mercados financeiros podereduzir ainda mais a demanda doméstica nas economias avançadase criar mais deslizes significativos em mercados emergentes eeconomias em desenvolvimento", afirmou o FMI. O FMI reduziu sua previsão de crescimento dos EstadosUnidos neste ano em 0,4 ponto percentual, para 1,5 por cento, ediminuiu a projeção para a zona do euro em 0,5 pontopercentual, para 1,6 por cento. Os números são baseados em novos dados de paridade do poderde compra, anunciados anteriormente, que reduzem as estimativasde crescimento 2005-2008 em cerca de 0,5 ponto percentual porano em relação aos números publicados em outubro. O FMI reduziu a estimativa de crescimento do Japão em 0,2ponto percentual, para 1,5 por cento. Mas a economia da Chinaainda deve crescer respeitáveis 10 por cento neste ano. "Apesar de alguma desaceleração no crescimento dasexportações, os mercados emergentes e as economias emdesenvolvimento até aqui continuaram a se expandir fortemente,liderados pela China e pela Índia", apontou o FMI. Johnson elogiou as medidas do Federal Reserve, que cortouos juros em 1,75 ponto percentual desde setembro, e disse queisso vai impulsionar a economia norte-americana, especialmenteem combinação com um pacote proposto de estímulo fiscal. "A questão principal é que a política monetária continuaeficaz, à medida que o Fed vem cortando significativamente ojuro", disse a jornalistas. "Isso terá efeito na economiareal."

ALISTER BULL E GLENN SOMERVILLE, REUTERS

29 de janeiro de 2008 | 18h28

Mais conteúdo sobre:
MACROFMIATUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.