Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

FMI projeta recessão na América Latina este ano por causa do Brasil

Fundo agora prevê queda de 3% do PIB brasileiro, ante 1,5% da projeção anterior, desempenho que só não é pior que o da Venezuela

Reuters

06 de outubro de 2015 | 11h08

Atualizado às 12h

LIMA - O Fundo Monetário Internacional (FMI) informou nesta terça-feira que projeta retração de 0,3% da América Latina este ano, contra crescimento de 0,5% previsto anteriormente, devido principalmente à recessão no Brasil e à queda dos preços das commodities. Essa será a primeira recessão para a região da América Latina e Caribe desde 2009.

Mas o FMI, que realiza suas reuniões anuais no Peru esta semana, afirmou que a economia da região deve se recuperar em 2016, com uma expansão de 0,8% - porcentual bem menor do que o projetado em julho, de 1,7%. Desde então, o Brasil continuou a apresentar indicadores econômicos ruins, houve piora do cenário político e perda do grau de investimento - espécie de selo de bom pagador - pela agência Standard & Poor's.

As revisões do FMI para o crescimento da América Latina, parte de sua visão mais sombria para a economia global, foram as mais fortes entre qualquer região. Sua nova previsão para a recessão do Brasil em 2015 - 3% - é o dobro da anterior.

A retração brasileira é fruto de condições políticas turbulentas que abalam a confiança dos agentes econômicos e da rápida queda nos investimentos, num desempenho que só não será pior do que a Venezuela na América do Sul. Para 2016, o FMI passou a ver retração de 1%, revertendo por completo a expectativa de crescimento de 0,7% de até então.

"A recessão no Brasil foi mais profunda do que o esperado", disse o FMI em seu relatório "Perspectiva Econômica Global". O Fundo alertou para "contágios negativos significativos" na região.

"No Brasil, a confiança de empresários e consumidores continua retraindo em grande parte pela deterioração das condições políticas, o investimento está diminuindo rapidamente e a necessidade de aperto na política macroeconômica está colocando pressão negativa dobre a demanda doméstica", acrescentou o Fundo.

O FMI também destacou crescimento mais fraco do que o esperado no México e problemas na Venezuela, onde vê a economia encolhendo 10% este ano, com a inflação disparando acima de 100%.

A economia da América Latina expandiu 1,3% no ano passado, após desacelerar ante 6,1% em 2010. A região havia superado as economias avançadas na esteira da crise financeira global, mas a queda dos preços de commodities, motor do crescimento na região, afetou desde as perspectivas.

(Reportagem de Mitra Taj)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.