Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

FMI projeta recessão na América Latina este ano por causa do Brasil

Fundo agora prevê queda de 3% do PIB brasileiro, ante 1,5% da projeção anterior, desempenho que só não é pior que o da Venezuela

Reuters

06 de outubro de 2015 | 11h08

Atualizado às 12h

LIMA - O Fundo Monetário Internacional (FMI) informou nesta terça-feira que projeta retração de 0,3% da América Latina este ano, contra crescimento de 0,5% previsto anteriormente, devido principalmente à recessão no Brasil e à queda dos preços das commodities. Essa será a primeira recessão para a região da América Latina e Caribe desde 2009.

Mas o FMI, que realiza suas reuniões anuais no Peru esta semana, afirmou que a economia da região deve se recuperar em 2016, com uma expansão de 0,8% - porcentual bem menor do que o projetado em julho, de 1,7%. Desde então, o Brasil continuou a apresentar indicadores econômicos ruins, houve piora do cenário político e perda do grau de investimento - espécie de selo de bom pagador - pela agência Standard & Poor's.

As revisões do FMI para o crescimento da América Latina, parte de sua visão mais sombria para a economia global, foram as mais fortes entre qualquer região. Sua nova previsão para a recessão do Brasil em 2015 - 3% - é o dobro da anterior.

A retração brasileira é fruto de condições políticas turbulentas que abalam a confiança dos agentes econômicos e da rápida queda nos investimentos, num desempenho que só não será pior do que a Venezuela na América do Sul. Para 2016, o FMI passou a ver retração de 1%, revertendo por completo a expectativa de crescimento de 0,7% de até então.

"A recessão no Brasil foi mais profunda do que o esperado", disse o FMI em seu relatório "Perspectiva Econômica Global". O Fundo alertou para "contágios negativos significativos" na região.

"No Brasil, a confiança de empresários e consumidores continua retraindo em grande parte pela deterioração das condições políticas, o investimento está diminuindo rapidamente e a necessidade de aperto na política macroeconômica está colocando pressão negativa dobre a demanda doméstica", acrescentou o Fundo.

O FMI também destacou crescimento mais fraco do que o esperado no México e problemas na Venezuela, onde vê a economia encolhendo 10% este ano, com a inflação disparando acima de 100%.

A economia da América Latina expandiu 1,3% no ano passado, após desacelerar ante 6,1% em 2010. A região havia superado as economias avançadas na esteira da crise financeira global, mas a queda dos preços de commodities, motor do crescimento na região, afetou desde as perspectivas.

(Reportagem de Mitra Taj)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.