FMI vê fator político na atual turbulência no Brasil

O Fundo Monetário Internacional (FMI) deixou claro, em uma sessão especial sobre o Brasil no documento Perspectiva Econômica Global, divulgado hoje, que considera que há um importante fator político na atual turbulência no Brasil. Referindo-se ao aumento de 750 para 1.500 pontos base do risco Brasil entre março e junho deste ano, a sessão sobre o Brasil da "Perspectiva" diz que há várias razões, mas que "talvez, mais fundamentalmente, os participantes do mercado começaram a focalizar a sua atenção nas incertezas políticas associadas à eleição presidencial de outubro e as suas implicações para a atual política econômica". O documento acrescenta que a deterioração do cenário econômico global foi outro fator importante. Mais adiante, referindo-se à piora da situação brasileira a partir de junho, o relatório diz que "os mercados ficaram cada vez mais nervosos sobre o resultado das eleições e o que ele poderia significar para a sustentabilidade das finanças públicas no Brasil, especialmente em seguida às pesquisas de intenção de voto no início de julho". No final da análise sobre o Brasil, o FMI observa "é crítico que se crie a confiança de que uma política econômica apropriada vai permanecer depois das eleições". Em uma nota final otimista, a sessão sobre o Brasil se encerra da seguinte forma: "Neste respeito, as garantias que já foram dadas pelos principais candidatos presidenciais de que eles manterão um superávit primário adequado e honrarão contratos são ingredientes básicos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.