FMI vê reformas na previdência e trabalhista como saídas para a Europa

De acordo com o Fundo, medidas podem impulsionar o crescimento econômico em 4,5 pontos porcentuais nos próximos cinco anos

Álvaro Campos, da Agência Estado,

18 de junho de 2012 | 18h42

LOS CABOS - O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou nesta segunda-feira, 18, um estudo no qual afirma que amplas reformas nos sistemas de previdência social e no mercado de trabalho na Europa podem impulsionar o crescimento econômico em 4,5 pontos porcentuais nos próximos cinco anos.

O FMI afirmou que os países do norte da Europa, como a Alemanha, precisam de uma inflação maior, enquanto os países do sul do continente precisam conter os ganhos salariais, para ajudar a equilibrar o crescimento na região.

O Fundo diz ainda que os países da Europa devem buscar equilibrar seus orçamentos no longo prazo, mas com flexibilidade durante períodos de contração econômica, como o que a zona do euro passa no momento. Essa flexibilidade permitiria um aumento dos gastos governamentais para ajudar as economias do bloco a sair da recessão, enquanto assegura aos mercados que as administrações estão comprometidas em reduzir os níveis de dívida.

O estudo do FMI, intitulado "Impulsionando o Crescimento na Europa Agora", é publicado durante a reunião do G-20 em Los Cabos, no México, na qual o grupo discute maneiras de combater a crise na zona do euro e incentivar a expansão da economia global. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIcrisereformasprevidência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.