FMI vê zona do euro ameaçada por países periféricos

Duro alerta foi feito por John Lipsky, diretor-gerente interino do Fundo, preocupado com as consequências do agravamento da crise da Grécia

, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2011 | 00h00

WASHINGTON

A crise de dívida nos países da periferia da zona do euro está ameaçando a recuperação econômica da região e pode causar uma ruptura financeira global se não for interrompida, disse ontem o diretor-gerente interino do Fundo Monetário Internacional (FMI), John Lipsky.

Nos comentários feitos em paralelo ao encontro de ministros de Finanças europeus para discutir a dívida da Grécia, Lipsky acrescentou que "as implicações podem ser mais sérias se (a crise de dívida nos países da periferia) houver consequências sobre o sistema financeiro de economias principais".

"A ampla e sólida recuperação prossegue, mas a crise soberana na periferia pode se sobrepor a esse cenário favorável e muito ainda tem de ser feito para garantir uma união monetária dinâmica e resistente", disse o FMI.

"A falta de uma ação decisiva pode rapidamente ampliar a tensão para a área central da zona do euro e ter um efeito global maior", disse Lipsky.

"O impacto direto da crise de dívida nas nações da periferia da zona do euro sobre a economia global é relativamente menor, em razão do pequeno tamanho de países como Grécia, Portugal e Irlanda", afirmou Lipsky.

As declarações são as mais fortes feitas até agora pelo FMI sobre a crise de dívida da Grécia.

Lipsky disse que o FMI não está atualmente negociando um segundo programa de resgate com a Grécia. Ao contrário, disse Lipsky, o Fundo quer ter certeza de que o primeiro programa de austeridade da Grécia está em correto andamento e pode ser totalmente financiado.

Segundo Lipsky, estar com o programa em correto andamento implica aprovação pelo Parlamento de uma série de medidas de austeridade. Ele acrescentou que o Fundo deve também obter garantias dos países da zona do euro de que o plano de austeridade será totalmente financiado - sugerindo que o FMI está ansioso por ver algum progresso dos governos da zona do euro na questão da partilha com os credores privados dos prejuízos da dívida grega.

Lipsky observou ainda que a "posição inicial" da Grécia era "excessivamente difícil", mesmo antes de o país obter o primeiro pacote de resgate.

"Nessas circunstâncias, é compreensível que haja uma correção no meio da trajetória", acrescentou.

O FMI fez críticas veladas ao governo da Alemanha, que mais fortemente deu demonstrações de relutância para financiar qualquer pacote adicional de ajuda. /DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.