Foco de ações em estudo pelo governo é baixa renda, diz CEF

Presidente diz que Caixa vai participar na habitação e adianta que limite para financiamento com FGTS vai subir

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

13 de janeiro de 2009 | 17h08

"Várias ações que o governo está preparando" para enfrentar a crise terão foco na baixa renda, disse nesta terça-feira, 13, a presidente da Caixa Econômica Federal, Maria Fernanda Ramos Coelho. A participação da Caixa no pacote se dará na área de habitação, segundo a presidente. Ela declarou que o valor do imóvel que pode usar recursos do FGTS para a sua compra vai subir e "poderá" chegar a R$ 500 mil. "O valor ainda não está definido", acrescentou.  Veja também:Governo mantém meta de crescimento de 4% e prepara açõesGoverno espera desemprego ainda mais alto em dezembroDe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise   O mesmo aumento, ainda a ser decidido, valerá como limite para a aquisição do imóvel com financiamento habitacional pelos recursos da caderneta de poupança. Ela comentou que a poupança alcançou um recorde de captação de mais de R$ 90 bilhões. Maria Fernanda informou também que a Caixa estuda permitir que os mutuários com dificuldades para pagar prestações do financiamento habitacional tenham um período de seis meses em que possam ficar sem realizar o pagamento. O mecanismo para isso seria um seguro da operação ou um fundo com este objetivo. "Tudo isso ainda está em estudo", declarou. Com a criação deste mecanismo, quem não precisar utilizá-lo ganhará algum tipo de compensação, como um abatimento no valor do saldo devedor.  Ela afirmou ainda que este ano o Feirão de imóveis com financiamento da Caixa ocorrerá em um mesmo final de semana de maio em todo o Brasil e terá novidades. A presidente da Caixa participa do lançamento de bilhete da Loteria Federal comemorativo dos 72 anos do Museu Nacional de Belas Artes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.