Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Foco de Newcastle é confirmado em criação no MT

O Ministério da Agricultura informou nesta terça-feira que um foco da doença de Newcastle foi detectado em uma propriedade de criação de aves de subsistência no município de Lambari d´Oeste, no Mato Grosso. Segundo a Coordenação da Sanidade Avícola do Ministério da Agricultura, a doença foi constatada pela unidade de Campinas do Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro), que examinou amostras de animais provenientes do estabelecimento. A suspeita da doença foi notificada em 15 de agosto passado. No dia seguinte, uma equipe de veterinários do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea) visitou a propriedade e coletou amostras das aves. O material chegou à unidade de Campinas do Lanagro em 24 de agosto e apresentava reatividade sorológica para doença de Newcastle nas provas de ELISA, que detecta anticorpos no soro das aves.No último dia 24, as amostras foram encaminhadas ao teste para determinação do Índice de Patogenicidade Intracerebral (IPIC). O resultado virológico identificou a presença de vírus da doença de Newcastle com IPIC de 1,7 (um virgula sete). A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) considera amostras com IPIC superior a 0,7 como patogênicas.De acordo com nota emitida pela assessoria de imprensa do Ministério da Agricultura, a propriedade onde ocorreu o foco tinha 46 aves. Do total, 26 morreram infectadas pela doença e outras 20 serão mortas. Foi estabelecida uma zona de proteção num raio de 3 quilômetros ao redor do foco e, a partir dela, uma área de vigilância num raio de 7 km. No raio de 10 km que circunda o foco, não há nenhuma propriedade de criação de aves no sistema de produção industrial, informa o ministério.A propriedade onde foi detectado o foco está a 240 Km do Mato Grosso do Sul, 348 km de Rondônia, 500 km de Goiás, 650 km do Pará, 700 km do Amazonas e 810 km de Tocantins. O estabelecimento fica a 120 km da fronteira com a Bolívia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.